Postagens

Mostrando postagens de Abril 30, 2010

O Rosário do Povo Criacionista I

CORDEL 49.40
(O verdadeiro nome da gente é o apelido que nos chama)

{A criatividade popular entre o agito e o carinho. Apelido, apodo, alcunha: [al-kunya(t), árabe]: designação que se junta ao nome ou ao sobrenome de alguém. Cognome geralmente depreciativo que se põe a alguém, e pelo qual fica sendo conhecido, tirado de alguma particularidade física ou moral.*}

I
O verdadeiro nome da gente
É o apelido que nos chama
Entre amigos é carinhoso
E na família que nos ama.
Mas quando um agente irrita
Com uma zombaria e agita
Cai no gosto e ganha fama.

II
Nosso povo é muito fértil
Cria tudo que é apelido
E se a gente não esquenta
Nunca vai virar moído.
E a alcunha, má, demente,
Se some e rapidamente a
Novo nome é promovido.

III
Desde cedo eu fui Valdim
Vavá nem sei quem criou
Entre amigos era Corróh
E Mestre só me valorizou.
Fui Vito, Vavito e Ovaldo
Luciano engrossou o caldo
Mas assim só ele chamou.

IV
Cientista, eu já fui também,
Xacangai, já me chamaram,
Cabelo-de-bombril caiu bem
Vavaca, logo ignoraram,
Vitim foi por pou…

O rosário do povo criacionista II

CORDEL 49.46
(Segunda lista das alcunhas, zombarias e apelidos de Esperança)

I
A gente usa o nome verdadeiro
Se tiver promissória pra assinar
Para tirar um novo documento
Diante do juiz, pra se amarrar.
Mas um casamento perfeito
Só mesmo quando um sujeito
Cisma e teima em se agoniar.

II
Começo agora, assim, a relação
De apelidos desse nosso lugar
Registro salteado e de cor
Pra depois numa lista enumerar:
Zambão, Ximbêta, Vaqueiro,
Viva, Xéba e Zé-roupeiro
Chapolin, Visconde e Fafá.

III
Continuo minha pequena lista
No exercício da lembrança
Para anotar apodos e alcunhas
Criadas pelo povo de Esperança:
Timbu, Saco-de-osso e Ramim
Rulipa, Sebarina e Tinim
Amazan, Catarina e Zé-criança.

IV
Retomando a rima, cismando,
No caminho dos de zombaria
Nesse arrolamento exponho
Um cabedal cheio de putaria:
Bunda-de-pano, João-peidão,
Arroto e Brinquedo-do-cão,
Vitiligo, Camburão e Zacarias.

V
E agora eu acho que está na hora,
De botar cada um lado a lado
Dona-dôra, Fuçura e Dona-dóra
Cavado e Cara-de-manobrado.
Gata-maga, Chico-braga …

O rosário do povo criacionista IV

CORDEL 49.58
(4ª Lista: parentes, companheiros, amigos e conhecidos)

I
Continuando a seqüência
Eu agora rimo pra mim,
Cito parentes de perto:
Nerivan virou o Nerim:
Lane reduziu o nome e
Eu confundo com Dilane
E Nerivaldo é o Neguim.

II
Mita, Milene e Neném
Birico, Vandó e Rafinha
Novo, Fia e Miminim
Léo, Gambá, e Toinha:
Madame, Dadá e Mako
Usibibo, Rei-nê e Nato
Nildá, Cila e Batatinha.

III
Véi-do-saco e Manqueza
Vó Mãe-nana e Vozinha
Junico, Gogô, Cocada
Isa, Dena e Luquinha.
Erikita, Manha e Biano
Sam e Sá, I-ía e Ciano
Duda, Naná e Maguinha.

IV
E os companheiros de luta
Aqui vêm comparecer,
Chico-de-iaiá e Jaymão
Estevão, Cérmio e Bererê:
Bacaninha, Joca e Makito,
Dedé, Tica, Clebé, Zezito
Dona-neném e João-do-PT.

V
Meus amigos de trabalho
Dos considerados por mim
Listo quem agora lembro
Dôra, Nicó, Beto-maguim.
Querida, Cumade e Janinha
Pedito, Katita e Carminha.
Berna, Cara-crachá, Vanim.

VI
Conheço a todo cristão
Aqui citados nesta lista
Rimo assim do Begão
Dona-chiquinha e Tista:
Com Cisim, Caguim e Pi
Bebezão, Rubã…

O rosário do povo criacionista III

CORDEL 49.52
(3ª Lista de Apelidos: Como Zé Limeira, vou pegando pra limão)

I
Zé Limeira, absurda mente,
Em seus versos de cantador
Moia todo adversário
Com a verve de um criador.
Ajuntava princesa Isabel
Com Tiazinha, lá no bordel,
E Antonieta, plantando flor.

II
No rosário criacionista
Seu Zé Limeira pode falar
A voz do povo é a do poeta
E é por ele que vou rimar:
Tenente, Cabu-duda e Capitão
Soldado e Guardinha no sermão
Ensinando Bispo e Pade a rezar.

III
Presidente de Esperança
Despacha na delegacia
Delegado, xará da autoridade,
Não prende, mas bem podia.
Para o Japão foi Deputado
Senadô pro céu já foi levado
E Jesus já comprou a Carestia.

IV
Professor não ensina na escola
Bority não governa, é advogado,
Dr. Bastim não medica uma pílula
E Cherosa remedia no outro lado
Donarrosa, boa gente, não é flor,
Garrote só amansa com Amor
E Roberim é um cara agigantado.

V
E no rosário da contradição,
Ratim é amigo de Seu Gato
Priquitim se reclama é de Lola
Pega-o-pinto joga com Pé-de-pato
O Cara-de-lixo é bem limpinho
É maneiro o…

O rosário do povo criacionista V

CORDEL 49.59
(5ª Lista: Dos animais que se juntam ao nosso nome I)

I
Não sabemos até onde
A gente, animal racional,
Poderia ser comparado
A um bicho, ser irracional,
Mas falando em cognome
Eles se ajuntam ao nome
E nada fica anormal…

II
Ameba, Guiné, Gavião,
Mané-das-cabra e João-preá,
Rabo-de-peixe, Macaco,
Vera-das-cabra e Carcará,
Pequenez, Tejo, Pé-de-cago,
Chico-viado e Passo-mago,
A-gata, Maco-macaco e Preá.

III
Macaco-da-bunda-branca,
Cara-de-cavalo e Chico-pata,
Abelha-italiana, Gata-branca,
Canela-de-canaro e Dagata,
Maçarico, Calango, Oi-de-gato,
Bacurau, Tucano, Mijo-de-rato,
Curau, Maria-preá e João-barata

IV
Zé-cutia, Ramim-de-gato,
Ana-dos-gato e Barrão,
Lêla-de-gato, Venta-de-tucano,
Fi-de-meu-gato e Bodão,
Pardal, Condô, Josa-bacurau,
Chico-pé-de-pato, Lacrau,
Maria-bacalhau e Beto-gavião.

V
Camelo-do-sertão, Trio-ameba,
Boca-de-peba e Boi-tungão,
Vaca-véia, Priquitim-de-uvêa,
Biu-cambeba, Jegue e Cancão,
Galo-creca, Ciço-preá, Uvêa,
Coruja, Leão, Zé-burra-feia
Katita e Maria-de-zé-leão.

VI
Burrego, Corujão, …