Postagens

Mostrando postagens de 2011

Devoção de Degmar, de Marquinho Pintor

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto X

Adone tá Uóli II (doisi)

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto IX

Permitido estacionar

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto VIII

Nequinho é D+

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto VII

Deu zebra

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto VI

Cachorrada

Imagem
Imagens comuns para título nem tanto V

Filha adotiva

Imagem
Imagens comuns para título nem tanto IV

OSO Sem palavras

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto III

Onde está Wally 1

Imagem
Imagens comuns para títulos nem tanto II

Orçamento Libras Democrático

Imagem
Imagens Comuns para títulos nem tanto I


Evaldo Brasil 2012: Manifesto Memorialista I

Imagem
PIC 80.300 Partido da Identidade Cultural. Vem com a gente! Porque isso é tudo folk lore.
Um novo partido está sendo gerado, o Partido da Identidade Cultural/PIC. Seu ideário parte de um único objetivo: fazer valer a nossa identidade cultural. Seu slogan convida a todos para seguir juntos na caminhada: “Vem com a gente!”; seu lema “porque isso tudo é folk lore”, regurgita um das marcas da imposição cultural norte-americana no mundo “That’s all folks!” impregnado nas mentes das crianças ao assistirem desenho animado como Perna-longa e Patolino.
Pode até parecer piada, mas propõe a valorização da cultura do povo (folk lore =folclore), se contrapondo a cultura alienígena tão bem confrontada por Ariano Suassuna (O Auto da Compadecida).
A identidade cultural de um povo é o seu maior patrimônio. Nós, ocidentais, estamos longe, mas muito longe do que caracteriza, porexemplo, a China e a Índia. Do ponto de vista local, já foi dito que, para ser universal basta ser local, daí, se acolhemos modos…

O Sorriso da Flor Formosa

Publiquei o poema abaixo, quase que de improviso, na Educar para Crescer da Editora Abril:

O Sorriso da Flor Formosa

Na vespra de Santontõe
Vi seu sorriso feliz
O santo já fez o milagre
Você é tudo que quis
É a coisa mais formosa
Daqui e de todo país.

Seu pianinho resplandece
Como as estrela do céu
E cá debaixo te olhando
Dou de garra do chapéu
Quereno lavar a égua
E ser assim seu corcel.

Contam-me os Passarim
Que certo dia estarei
Diante de tua mus'ga
E nesse canto de rei
Vou festejar nosso amor
Na cama que escolherei.

Mas o branco do teu riso
Ainda não é todo meu
Você tem uma pareia
Que também te escolheu
Por enquanto ‘tô sonhano
Co'a luz que Deus me deu.

Eu aqui na Platonice
Fico a ti querer pra mim
Pra que sejamos um par
A seguir junto o camim
A semear muitas flores
Recompor nosso jardim.

Fico assim te esperano
Vivendo de verso e prosa
Doidim pra te encontrar
E declarar-te, valorosa,
Desde que vi para mim
O sorriso da flor formosa.

Evaldo Pedro Brasil da Costa
Em 21 de junho de 2011.

C49-156 e C49-157 O Dia da Claridade

I
O sol bem que dera trégua
Pra luta que não vai mal
E depois da assembleia
Permitiu fechar sinal
Foi um tremendo apitaço
Soando que nem o aço
Nas ruas da Capital.

II
O trânsito respeitoso
Como o povo educado
Não forçou nem vaiou
Pelo contrário, parado
Assistindo essa volante
O popular nos garante
Apoio no protestado.

III
Seguiu-se para o Poder
Legislativo, derrotado
O requerimento do Frei
Anastácio, o Deputado
Restava só caminhada
Mas essa massa agitada
Foi inchando, resultado:

IV
A cabeça da serpente
Dá de cara com os leões
O portão entreaberto
Arreganha aos empurrões
E o tapete vermelho
Viraria um espelho
Pra se mirar em lesões.

V
Uma centena na frente
Outro tanto bem atrás
Nem se quisesse voltar
Quem no meio era capaz...
Como uma onda surgindo
Toda a gente foi subindo
No quartel dos marajás.

VI
Depois do canto feliz
E dos discursos de apoio
Do banheiro proibido
Dos encontros decoloio
O fato dá o tom da notícia
Na abordagem propícia
Separam-se trigo e joio.

VII
Na proporção que a fome
Joga contra o movimento
Inversa se faz em nome

C49-150 Pequena louvação à Chamego Medonho

(Tradicional e Moderna com fogueira e foguetão)

Sábado passado, dia 04, entre espera e forró, a despeito de outros eventos havidos e anunciados, ocorreu no CAOB de Esperança a abertura extra-oficial do São João da cidade. Com a presença do prefeito Nobson Pedro de Almeida - Nobinho, empresários, imprensa, ativistas culturais e juventude festeira, a quadrilha Chamego Medonho apresentou coreografia, figurino e tema para as comemorações juninas deste ano.

Com uma apresentação impecável, figurino bastante representativo, a quadrilha representará Esperança em diversas cidades, com destaque para Campina Grande. Como tem sido sua marca, abre a apresentação com Literatura de Cordel, há uma pequena pausa para a maioria dos brincantes com um Casamento Matuto e, destaque-se aqui que o conjunto da obra merece nosso aplauso.

Na temática, o Balão está representado por tons de prata e azul céu; a Fogueira, por vermelho e laranja; o casal "Chamego", em lilás; rei e rainha do milho em verde e …

Passatempo

A espera desespera ansioso
E ansioso não espera ocasião
O paciente apascenta ansioso
E o ansioso se faz presa da razão

O mistério mistifica ardiloso
E ardiloso não ministra delação
A delação apazigua ardiloso
E o ardiloso se faz presa da razão

A fôrma formaliza ocioso
E ocioso não formula petição
A petição incomoda ocioso
E o ocioso se faz presa da razão

O pavio apavora belicoso
E belicoso não belisca pavilhão
O pavilhão se apresenta belicoso
E o belicoso se faz presa da razão

A força fortalece mentiroso
E mentiroso não ministra reação
A reação reprimenda mentiroso
E o mentiroso se faz presa da razão

O amor se faz bem mais primoroso
E primoroso não se rende, contrição
O ser presente vivifica primoroso
E primoroso se faz prece e oração.

Evaldo Pedro Brasil da Costa
(Entre 3 e 4 de Fevereiro de 2005)

C49-155: O ataque rasante dos gansos de Zé Belo

(Para professor Dinha, Adailton Santos)


I
Revendo memórias de criança
Parei, pensei... A pouco me dava
Conta de que nossa lembrança
Só com estímulos se mostrava.
Dinha, que um dia fora menino,
Vem aguçando o humor ferino
E numa tirada me provocava:

II
―Silvino Olavo devia estar doidão
Falando de Cysne, de Sombra
Iluminada... Aqui tem é ganso.
E eu nem sei qual era a lomba.
―Adriano Véi ficava chorando
Quando, comigo, pelejando o
Velho poeta, detonado tomba.

III
Por trás de casa campo incerto
A esquina de hoje era curvada
Garagens, esgoto a céu aberto
Óleo cru, fezes, terra molhada
E a gurizada brincando ao sol
O barro secando no mocotó
Carreira na hora da revoada.

IV
Relembro terreiros onde criança
Cacei, pesquei... tanto brincava
Rua da Lagoa, Ladeira do Cabaré
Onde, em venturas, eu sonhava.
Lula, a marretada, o sapo voando
Notas de cigarro e eu enricando
E um rasante que amedrontava.

V
Os gansos, primos dos cisnes
Saiam do muro, bela fazenda
De Seu Zé Belo e Dona Idalina
De manhãzinha, feito lenda.
Vão catar comida, em…

C49-154 ProJovem pro jovem jovem

(Ambiente de Esperança pra evitar seu padecer)

I
Depois que a gente nasce
E percebe o tempo correr
Percebe que está sozinho
No caminho para crescer:
Se não tivermos ajuda
Será um deus-nos-acuda
Nós podemos padecer.

II
Mas por aqui já existe
Funciona com experiência
O ProJovem Adolescente
Um serviço de convivência:
O vínculo ele fortalece
Na família que padece
Perante tanta carência.

III
ProJovem é para o jovem
Arriscado em proceder
Pra que volte pra escola
Pra diminuir o sofrer...
Assim cada um coletivo
Aqui encontra motivo
Pra lutar pro bem viver.

IV
Teatro, música e dança
Nesse projeto cultural;
Esporte, lazer e turismo
Na vertente ambiental.
Festas comemorativas
Em ações participativas
Na temática transversal.

V
Assim a gente renasce
Perante o tempo a correr
Já não se vê tão sozinho
Aprende a bem conviver:
Na chegada dessa ajuda
Já não há deus-nos-acuda
Mas há muito a se vencer.

VI
Por isso, se ajunte a nós
No trabalho voluntário
Convidamos todo jovem
A seguir nesse rosário:
Os de quinze a dezessete
Entre nesse telequete...
Você…

Regulamentação do Cargo de Assessor de Comunicação e Imprensa

A “Casa de Francisco Bezerra da Silva”, no apagar do 1º período ordinário, aprovou a regulamentação do Cargo de Assessor de Comunicação e Imprensa para trabalhar em programa radiofônico e divulgar as ações do Poder Legislativo de Esperança/PB.

Atualmente sem ninguém ocupando esse cargo, a Câmara Municipal, através da mesa diretora, sob a presidência de Anselmo Vieira, apresentou o projeto de lei, sob o argumento de que, desde 2003 não fora regulado e, o valor a ser pago, está defasado e fora da lei.

Desde então, o valor congelado no hermetismo da lei e dos legisladores, acabou abaixo do atual salário mínimo, dos R$ 545,00. A proposta então é nivelar com o soldo do Assessor Parlamentar, atualmente em R$ 1.500,00.

A título de protesto, atualmente a Fenaj, Federação Nacional dos Jornalistas, peleja para voltarmos no tempo e ao bonsenso e se exigir o diploma de nível superior, Bacharelado em Comunicação Social, para o exercício da profissão, vez que há alguns anos a exigência dessa formação…

O Programa Bolsa Família e o Bolso das Famílias de Programa

Há muito não ia a uma sessão na Câmara Municipal de Esperança/PB. Trabalhando também à noite, só em situações excepcionais. Eis que a solicitação de uma Audiência Pública sobre a Greve na Educação me levou até lá, dia 24 de maio.

Há muito não via uma sessão tão desigual. Trabalhos à parte, só em feiras promocionais. Eis que a solicitação da Audiência Pública sobre a grave crise na Educação foi aprovada por lá, dia 27 de maio, às 14h. Sexta-feira.

Há muito não via fala tão paradoxal. Trabalhadores à parte, as famílias que recebem do Programa Bolsa Família/PBF foram associadas à violência. Sobre essas graves crises, o Vereador Adailton Santos disse do batalhão local estar colocando cerca eletrificada (!)

Há muitos pais de família que minimizam a situação de risco em que vivem com os pequenos valores do PBF. Condicionados à manutenção do filho na escola, à vacinação etc. Se pai, mãe ou ambos gastarem “todo” esse dinheiro com o que quer que seja... Esses dois condicionantes já me dão por con…

É verde, É Esperança

Imagem
Uma variação, onde o TV ganha melhor definição.

EEEFIJ: Tradição de Pioneirismo desde 1932

Imagem
Entre 2010 e 2011, a Gestão Edite Arruda aprovou esta bandeira.

DTVD: Digital TV on Disc: TV Lírio Verde

Imagem
A mais nova produtora de conteúdo audiovisual de Esperança

TV Lírio Verde: as sementes e o terreno

Imagem
Toda ideia nova exige nova denominação. Foi assim no surgimento do Espiritismo, quando a nova abordagem da moral cristã, a partir da comunicabilidade com o mundo dos espíritos fez surgir, desde 1857, o novo verbete para a nova filosofia/religião/ciência. Mas, como todo novo surge do acúmulo de conhecimento das humanidades, foi e é passiva de associações e distorções por ignorância ou má-fé. Ciente destas possibilidades é que espero não pecar nessa abordagem, e se o fizer será pela primeira opção.
Ao conversar com o idealizador da TV Lírio Verde, doravante TVLV, Laércio Araújomostrou-meduas coisas interessantes: A disposição de perseguir o sonho e, já que desconheço algo assim, um conceito novo ou, pelo menos, inovador.
Associado a diversas pessoas, jovens de pouca ou média experiência, levará a TVLV até o limite das sementes que não encontrarem solo fértil. No solo mais receptível encontrará o empate no investimento, no terreno propício encontrará certo lucro e, enfim, a permanência …

C49-152 Um rockordel pro Rock Bar

(Onde se sente, onde se vive curtição, pr’onde se vai pra poder comemorar)

I
Entrei no barzinho à moda inglesa
E dei de cara com aquela novidade
Era um conjunto de grande beleza
Era a certeza de nova realidade:
Os Stones e os Doors ‘tavam junto’
Gente viva e um molho de defunto’
Jamais mortos na’sfera da claridade.

II
Tinha fumo, mas agora é proibido,
Tem o Rock como nome de batismo
E o Bar por sobrenome já sabido,
O Rock Bar é o point sem lirismo:
A atitude pode ser de transgressão
Só na origem, agora há permissão,
E a plateia nem aí pro tabagismo.

III
Volto ao pub e ano novo comemora
Seis anos de palco, pra Esperança,
Para a prata que em ouro se arvora
Pro musicista que na noite se lança.
Com sua arte a sua sina não espera
Como nos Flávios, Germano Batera,
E a frustração do romper de aliança.

IV
Mas, vez por outra eu vou por lá
Pra sentir o que emana, a vibração
Das paredes, do teto desse lugar,
Que de fora vem trazendo atração.
Delito, Controlvê e suas gargantas
Patrícia Menezes e Ronny Dantas,
Na batida que resv…

C49-149 Cordel das Águas Perdidas

(Pode até parecer piada, mas mandei cortar minha água)

I
Água, repito aquele bordão
É mesmo líquido precioso
Apesar de 2/3 do planeta
Virou um caso perigoso:
Só um tiquim’ é sem mágoa.
Pode até parecer piada, mas
Mandei cortar minha água.

II
O sistema entrou em colapso
Essa não é a vez primeira
Que faz falta em Esperança
E se some como em peneira.
Aqui, ali, lá em Manágua
Pode até parecer piada, mas
Mandei cortar minha água.

III
Da outra vez que ela sumiu
Numa espera desesperada
Comprava água de beber
Pra ver a roupa lavada
Pra tudo que se enxágua.
Pode até parecer piada, mas
Mandei cortar minha água.

IV
Vendo discursos, protestos,
Tinha que ter uma atitude
Diante do mal anunciado
Não temos sequer açude
Nem chuva aqui deságua.
Pode até parecer piada, mas
Mandei cortar minha água.

V
Não, isso não é brincadeira,
É um convite ao fim do jogo
Ao manifesto e de resto
Promover um boi-de-fogo
Fincar o pé no Aconcágua.
Parece até ser uma piada
De mau gosto feito anágua.

VI
Pense um corte coletivo
Deixando de ser cliente
Uma cidade intei…

So pra ter o seu sorriso

Imagem