domingo, 21 de julho de 2013

De banana à cereja de bolo


Ser do bem: A chuva cai lá fora. É frio. Ao som de Sei, Nando Reis, me sinto frio. Calculista. Maquinando palavras que já dissera e o desejo de escrevê-las, a quem interessar possa...

Acho que sou do bem. É que só me lembro das partes boas das vivências. E esqueço tudo aquilo que me pedem pra esquecer. Apago do registro, memória interna. Não me serve e não me peça como testemunho, se me pediu para esquecer.

Resolvi me submeter, mais uma vez, ao serviço público de saúde. Primeiro, uma questionável consulta com otorrino, que me solicitou uma audiometria a ser feita em sua clínica. Acho que completará três anos de espera. Depois uma consulta com um nefrologista, por uma taxa estranha nos exames básicos. Deve estar com dois anos. E nada. Antes dos seis meses, uma visita ao CEO.

No Centro de Especialidades Odontológicas, um canal do dente 35. Feito.

Tipo menor preço por item: Há nas licitações de serviços e aquisições dos governos uma coisa chamada Tipo Menor Preço por Item/TMPI. Eis que já usei 02 grampos, grampeando uma vez e tendo que destravar o grampeador e retirar o excedente, incompleto. Eram grampos vermelhos que substituíram os brancos. Estes eficientes, aqueles, o barato que saiu caro.

Então no CEO, encontrei um amigo que iniciaria um canal, uma faria ou continuaria um canal de molar, tipo quatro (raízes) em um. Contei todo o processo dos canais que já havia feito. A ela e aos outros que se submeteriam a tal procedimento. De que não doeria, pois anestesiado; de que não seria de uma vez, pois há a instrumentalização etc. etc.

Chega então minha vez e a despeito do bom atendimento e da qualidade dos profissionais, dos quais tenho prazer de nominar pelo menos os três que lembro: Fabrícia, Vanuza e Conceição; a despeito da amizade que se avizinha e da que se reafirma, doeu.

O anestésico pareceu não anestesiar ou seria trauma do TMPI tipo-menor-preço-por-item, psicológico como disseram alguns amigos, medo? A instrumentalização se deu em hora e meia de suor num segundo momento. Eu, que costumo deitar feito uma banana mole, relaxado na cadeira do dentista; eu, que sempre fiz obturações sem anestésico (pelo menos desde que me entendo de gente)... eu, que tranquilizei a todos, lá estava me sentindo menor que uma cereja na cadeira, encolhido, ruborizado tendo que dizer sim como resposta direta a pergunta mais obvia dessas situações: Doeu?

Ser do mal: Dia 31, volto à UBSF São Francisco para finalizar o tratamento. É que, no CEO, se faz o canal e o dentista solicitante fará a restauração. Vai obturar. Esse dente 35 (e o vizinho, 34) passou por remendos diversos em suas laterais. Afastados pela extração dos 36 e 37, não ficaram parados e, qualquer alimento mais duro os afasta mais e pressiona as emendas, que caem rapidinho. Minha arcada inferior parece um leque pendendo pra esquerda.

Espero apagar da memória as partes ruins, que não tenha que brincar com os nomes dos profissionais, como já fiz antes de outros; que não tenha de, tão brevemente, extrair mais um. Mas se for o caso, para não me deixar ser do mal, farei. Agradecerei a Deus, já que entre ser banana e cereja, prefiro ser a cereja desse bolo, que é a vida.

Possa não ser tão bom quanto gostaria, mas venho me esforçando. E você?

(130721, Evaldo Brasil)