quinta-feira, 12 de maio de 2016

Sarau do FIC 2016.2 | Segundo Aniversário | Esperança/PB

Ata do Sarau do Fórum Independente de Cultura (FIC), Edição 2016.2, em 24 de abril de 2016, denominado “De segundo aniversário”, na EMEF Dom Manoel Palmeira da Rocha. Após a última das assinaturas dos presentes, lavraremos o devido registro. (Ass).
Registro das 17h: Os que ficaram até o fim.
Pelas 14h já se encontravam na Escola Paroquial, além da diretora Maria Lucimar Dias, o amigo da escola Felipe Nascimento, quem montava a infraestrutura. A chegada de Evaldo Brasil e Fernando Virtuosi serviria para os últimos retoques, garantindo os ajustes no palco do auditório e nos equipamentos de áudio e vídeo. Integrantes da Associação Afro-cultural Quero Mais/AAQM, alunos da escola e do Educandário Nossa Senhora Aparecida/ENSA, de Remígio/PB, chegavam para montagem dos seus espaços e equipamentos.
Às 14h30 Evaldo Brasil dava as boas vindas, falando da iniciativa, apresentando-se numa adaptação de “O Diabo Alagoano” (autor desconhecido), e convidando os respectivos coordenadores para montar a programação do encontro de artistas, promotores de arte e apreciadores. Montado o roteiro que se segue, Lucimar Dias deu as boas vindas, chamando as meninas do “Nordeste Independente” para abrir o certame, quem disseram em forma de jogral a obra de Bráulio Tavares e Ivanildo Vila Nova. Em seguida, Flávio Iuri Diniz Sales apresentou-se, caracterizado, lendo “Festa da Taquara” (Fabiana Ferreira Lopes, Edições SM, 2012), acompanhado pela flauta de Fernando Virtuosi. Os meninos de “O Planeta Água tem Sede”, cantaram à capela, acompanhados de palmas “No meu Cariri” (Rosil Cavalcanti) e versos em Exaltação ao Nordeste.
Ato contínuo, considerando a presença dos visitantes de Remígio, sob a coordenação do professor Danilo Dantas, o ENSA-Music apresentou um pot-pourri com o tema da série Auto da Compadecida, Asa Branca e Eu só quero um xodó (Luiz Gonzaga). “The lion sleeps tonight” (The Tokens),  tema de Timão e Pumba, personagens do filme Rei Leão, da Disney; “Carinhoso” (Pixinguinha) e Happy (Pharrell Williams) fechando a apresentação coletiva. Formando dupla com o músico Gustavo Ribeiro (violão), Danilo Dantas, com sua escaleta fez o medley “Fly me to the moon/Wave (Frank Sinatra/Tom Jobim). Aproveitando o intervalo para desmontar a bateria dos visitantes, registramos as presenças do prefeito de Esperança, Anderson Monteiro Costa e seu pai Arnaldo Monteiro, deputado, momento em que Rau Ferreira sorteava dois exemplares das suas biografias “Silvino Olavo” (2010) e “João Benedito, o Cantador de Esperança” (2011).

Foto Oficial, pelas 16h.
Feita a foto oficial do sarau, Marquinho Pintor coordena um esquete sobre Zika, Dengue e Chikungunya, a apresentação de versos diversos, seguidos de uma ciranda. As meninas da AAQM dançaram sob a percussão dos músicos da associação e a flauta doce de Fernando Virtuosi, que interpretaram mais um pot-pourri (Garota de Ipanema/Eu só quero um xodó/Asa Branca/Farinhada – Jobim/Gonzaga). Depois de Evaldo Brasil dizer o seu “Noção Planetária”, Rau Ferreira encerrou a tertúlia, agradecendo as presenças e citando causos do poeta esperancense “João Benedito”. Nada mais havendo a registrar eu, Evaldo Pedro da Costa (Brasil) lavro esta ata. Esperança/PB, em 24 de abril de 2016.

Livros | Memorial do Carnaval de Esperança etc. | Publicações

Memoria do Carnaval de Esperança e mais duas publicações atualizam
Produção Literária alusiva à Esperança ou de Esperancense*

Inácio Gonçalves
Na gráfica União desde meados do ano passado, com o intuito de vir à publico em 1º  de dezembro, pela passagem dos 90 anos de emancipação política da cidade, só agora chega às mãos dos esperancenses Banaboé Cariá (FERREIRA, Rau. 2016).

A última publicação registrada no recém-publicado Banaboé Cariá foi Zazá, um homem ou um mito? do Bispo Bruno, filho do personagem (2015, saiba mais no BV033, Ago/Set15, em www.calameo.com).

Mesmo que não houvesse esse lapso temporal, o presente de Ferreira já estaria na lista de fato histórico. O que quer que encontrássemos de antes já não poderia ser incluído. *Assim é que três títulos ficaram de fora da obra, por novidades que foram para a pesquisa ou previstos para depois embora lançado antes (!). Neste caso, na sexta-feira véspera do Carnaval (capa) o "Memorial" de Inácio Gonçalves nos traz um pacote de narrativas, notas e registros fotográficos.

Dividido nessas três partes, a brochura apresenta textos em primeira pessoa, ora vivências ora de conhecimentos passados, geração a geração. Depois, se repetem algumas narrativas em pequenas notas a título de fatos curiosos ou pitorescos. Por fim, a iconografia apresenta-se baseada principalmente no acervo particular, do popular Pagão (Erivaldo de Araújo) dentre outros, do blog Esperança de Ouro e da série de cartões 80 anos de Esperança (masBrasil).

De posse do livro prefaciado pela professora Marilda Coelho, o leitor encontrará 45 textos, a exemplo de Um patrimônio cultural de Esperança, Os grandes baluartes, O Coronel nas Ondas, Os bailes do Esperança Clube, Os destaques de ontem e de hoje, Personagens que se destacaram, A presença da mulher, O tradicional, O autêntico remanescente, As peculiaridades do folião, Percurso da folia, Bom Porque Pode, O Carnaval de 1954, A Boneca do Léro, O Boi de João Marcolino, Última Hora, Os Borós, O Carnaval de 1982, Os Taka-toxas.  Dentre os 18 fatos pitorescos, A prisão de Léro, A Difusora de Pedoca e Os filhos de Juvenal.

Outra obra, José Quarentinha, um menino sem infância, carece de pesquisas. Além da produção em cordel, não catalogada por Ferreira e das publicações de pequenas tiragens, como Livro de Piadas dos alunos da EJA-Timbaúba e uma série infantil com exemplares únicos de alunos da escola municipal do Distrito do Pintado. E quanto ao terceiro? O próprio Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança.